sábado, 13 de agosto de 2016

Sobre o livro #2: Estação Carandiru


    No livro “Estação Carandiru” o autor, Dráuzio Varella, nos leva a um mundo curioso do ambiente carcerário. Dráuzio trabalhou voluntariamente na Casa de Detenção de São Paulo, popularmente conhecida como Carandiru de 1989 até sua implosão em 2002. Esse trabalho começou quando ele foi gravar um vídeo sobre a AIDS na enfermaria da penitenciária e, após ter deixado o presídio, as imagens que havia visto não saiam de sua cabeça. Todos aqueles homens presos e as condições que eles se encontravam o fizeram, duas semanas depois, pedir ao responsável pelo departamento medico do sistema prisional da instituição para fazer lá um trabalho voluntario de prevenção a AIDS. 


   O livro conta basicamente a vivencia do Dráuzio na cadeia e as historias de vida dos presos dentro e fora do presídio. O interessante é que o autor fez questão de deixar a fala dos presos do mesmo jeito que foram ditas, dando assim mais fidedignidade aos relatos feitos e à realidade relatada. Dráuzio também não glorifica nem minimiza os crimes deles e isso é bem interessante, pois torna sua abordagem bem humanizada, mesmo que para a sociedade essa pessoas já tenham deixado de serem humanos, a partir do momento que cometem algum crime.
   O livro nos traz uma visão bem clara de como a cadeia funciona e isso é bem curioso, pois a cadeia é uma sociedade regida por leis que não são escritas, mas são aplicadas com rigor. Por incrível que pareça às palavras de ordem são respeito e dignidade. Um fato que é bastante peculiar é que no Carandiru cada cela tinha seu dono e valor de mercado os preços variavam de 150 a 2 mil reais. E se por acaso o dono de uma delas for libertado ele deixa um inquilino pagando aluguel. E se por ventura o proprietário voltasse para a prisão o outro tinha que devolver o imóvel.




   Esse livro não é leve, pelo contrário, é um pouco pesado, pois algumas histórias tem uma carga emocional forte, principalmente quando o massacre é descrito. Diversas vezes quando estava lendo parava para dar uma respirada, pois são cenas realmente fortes. No entanto, Dráuzio Varella é um autor incrível e tem uma escrita bem direta e simples. Estação Carandiru está na minha lista de livros favoritos e se você ler com certeza vai entrar na sua.

   Nos siga no INSTAGRAM pra nos acompanhar por lá também.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Look do dia - Saia rodada e blusa do michey.

Oooi minhas lindas! Tudo bom?

 Depois de semanas sem postar look por aqui, estou de voltaaaa! E hoje o look é bem fofinho <3

 Essa blusa do michey é o meu mais novo xodó! Já usei várias vezes com diversas combinações diferentes, e isso que é legal. Dessa vez eu usei a blusa por cima de uma saia, e super amei! Nunca tinha usado essa saia assim, eu sempre colocava ela por cima da blusa porque ela é cintura alta.
  Além de ser um look lindo, ele é super usável pra diversos ocasiões. Eu usei uma sandália baixa, mas se eu quisesse uma coisa mais chique, eu colocaria um salto alto, se eu quisesse uma coisa mais casual, colocaria só uma rasteira.

Essa blusa linda, além de ter um michey super fofo segurando um buquê de flores, tem "LOVE" escrito, coisa mais fofa.

E pra complementar e colocar uma cor nesse look, usei essa saia verde, super linda.

 Nada melhor que uns acessórios pra complementar o look, né? E nos pés, usei uma sandália no estilo anabela, bem baixinha, e super amei a combinação com o look <3


     Blusa: C&A | Saia: Menina morena | Sandália: Roubei da mãe (haha) | Relógio: Lince (o de sempre) | Pulseirinhas: Centro da cidade.
_________________________________________________________________________________

   Gostaram do look? Eu espero muito, muito que vocês tenham gostado <3 Se gostou, não esquece de compartilhar com suas amigas e comentar aqui abaixo dizendo o que achou, tá? 

  Um suuuper beijão e até a próxima! Fiquem com Deus <3